Aprenda como tomar as melhores decisões no início da loja virtual

Tempo de leitura: 18 minutos

O início de um negócio é desafiador para o empreendedor, que precisa tomar muitas decisões importantes para que tudo comece de maneira organizada e eficaz. Quando falamos em uma loja virtual, existem algumas características que devem ser levadas em conta para atrair o consumidor e conseguir uma boa conversão.

Neste artigo, você vai conferir como escolher o nome da sua loja virtual, de que forma desenvolver o logotipo e o design, como investir na melhor plataforma de e-commerce, os principais passos para oferecer um bom atendimento e como definir o seu mix de produtos. Boa leitura!

1. Nome da loja

A escolha do nome é o primeiro passo para começar a pensar em toda a estratégia de comunicação da sua loja virtual. Muitos empreendedores costumam “empacar” nessa etapa, afinal, é uma decisão muito importante e que influencia diretamente em outras. Mas não se preocupe: confira, abaixo, 5 dicas que podem te ajudar nesta primeira fase:

1.1 Faça um brainstorm

Junte um grupo de pessoas — amigos, familiares, parceiros de negócio — e peça para que eles sugiram nomes. Incentive para que todos não tenham vergonha de falar o que vem à cabeça: quanto mais sugestões, melhor. Deixe a criatividade fluir e anote tudo. Depois, é só analisar tecnicamente as sugestões.

1.2 Não se limite

Quando começamos a pensar em um nome para o negócio, é muito comum que a nossa mente tenha ideias óbvias. Por exemplo, se você pretende vender bijuterias, é esperado que pense em nomes relacionados com as palavras “biju” ou “joias”.

Essa é uma opção válida, mas não se prenda às características óbvias de seu produto ou serviço. Use a criatividade para inventar nomes que remetam ao seu negócio, mas, ao mesmo tempo, tragam informações novas.

Também é muito importante que você não se limite. Ao escolher o nome da loja virtual, é necessário ter uma visão de futuro do seu negócio. Por exemplo, se você vende camisetas estampadas, fuja de nomes como “Camisaria do Luiz”, afinal, daqui algum tempo, o seu e-commerce poderá estar oferecendo calças, bermudas e outras peças de vestuário.

1.3 Pense na essência da sua marca

Todos os negócios têm características únicas, afinal, são criados por pessoas únicas. Reflita sobre a essência da sua marca, ou seja, o que você quer transmitir ao seu cliente, para que ele se convença de que a sua loja virtual é a melhor opção.

1.4 Use geradores de nomes

Essas ferramentas permitem que você jogue ideias, faça testes e verifique a disponibilidade do nome escolhido.

Mesmo que você não chegue a tomar a decisão final por meio delas, são ótimas alternativas para estimular a criatividade. Algumas opções disponíveis são: Novo negócio, Nome.me, NameStation, Gerador de Nomes e Nomes para empresas.

1.5 Faça uma pesquisa de palavras-chave

O nome certo também pode ajudar no ranqueamento da sua loja virtual, ou seja, facilitar a localização do seu site nas buscas do Google.

Para descobrir as palavras-chave relacionadas ao seu segmento que são mais utilizadas pelo seu público-alvo, você pode utilizar ferramentas como o Keyword Planner.

2. Logotipo

O logotipo é um dos elementos mais importantes da empresa e, em alguns casos, é definido antes mesmo do nome. Ele é a tradução visual da personalidade e dos valores do seu negócio e deve transmitir as qualidades mais importantes.

Existem duas opções no momento de criar um logo:



Crie uma loja virtual descomplicada por apenas R$ 20/mês

  • Se você prefere investir menos e fazer o serviço por conta própria, pode contar com a ajuda de ferramentas na internet. Elas têm recursos para a criação de logos simples, mas que podem atender a sua necessidade;
  • Se você prefere investir mais no conceito da sua marca, o ideal é contar com um designer especializado.

Além de ter o domínio das ferramentas de edição (Illustrator, CorelDRAW ou Adobe Photoshop), um designer pode ajudar você com a identidade visual, entendendo as suas necessidades e criando um conceito exclusivo.

Mesmo que o investimento seja maior, o custo-benefício de ter um logo profissional compensa ao longo do tempo. Lembre-se de que você vai utilizar o logotipo não apenas no site, mas em diversas peças on-line e até mesmo off-line, e um designer saberá como adaptá-lo em todas essas situações.

Confira, abaixo, 3 dicas que podem ajudar na elaboração do seu logotipo:

2.1 Encontre um bom profissional

Existem várias formas de se contatar um bom designer, e uma delas é por meio de plataformas de freelancers. Alguns exemplos são: Workana, Freelancer, 99Freelas. Existem também alguns grupos no Facebook, como o Freela SP e o Freelas Remotos.

2.2 Tenha a identidade do seu negócio definida

Aqui, falamos da personalidade do negócio, da mensagem que você quer passar aos seus clientes. É muito importante ter essa ideia bem definida para que o logotipo transmita a mensagem correta.

Além disso, é fundamental que você conheça muito bem quem é o seu público-alvo, pois essa decisão ajudará na escolha das cores.

Por exemplo: para uma loja de artigos infantis, é interessante utilizar tonalidades chamativas e alegres. Já se o e-commerce for voltado ao público masculino, o ideal é usar cores mais sóbrias e menos vibrantes.

2.3 Faça esboços

Para auxiliar no desenvolvimento da ideia, faça esboços no papel, imaginando como seria o logo ideal.

Pesquise na concorrência ou em lojas que são inspiração para o seu negócio e identifique o que poderia ficar bom no seu logotipo. Converse com o designer e troque informações com ele até chegar ao resultado final.

3. Design

Depois de definir o nome da loja e o logotipo, chega a hora de criar o design. Uma das características que determinam o sucesso de um site, seja loja virtual ou não, é a boa usabilidade.

Explicando em poucas palavras, isso significa que o usuário deve ter uma experiência agradável no site, com facilidade para abrir os links, navegar entre as páginas, visualizar fotos e vídeos, entre outros.

No caso especifico das lojas virtuais, existem algumas características importantes que devem ser levadas em conta. Confira quais são elas:

3.1 Cuide da harmonia das cores

Provavelmente, você já deve ter acessado algum site em que as cores eram tão chamativas e diferentes entre si que até causaram incomodo, não é mesmo?

Escolha um grupo de cores que harmonizem entre si ou a mesma cor em tons diferentes e dê preferência para o fundo branco, pois, dessa forma, as fotos ganham mais destaque. No site da Adobe, você pode consultar quais são as cores complementares.

3.2 Deixe os produtos em destaque

Parece óbvio, mas muitas lojas virtuais têm um layout que dificulta a visualização dos produtos.

Com a intenção de fazer uma página inicial chamativa ou divulgar um banner, muitos lojistas acabam ocupando grande parte da home, deixando os produtos na parte de baixo, sem destaque, ou até mesmo escondidos.

Dessa forma, o cliente precisa rolar a tela ou dar muitos cliques até localizar o item que procura, e isso dificulta a usabilidade. Lembre-se de que um e-commerce funciona basicamente como uma loja física, e uma vitrine bem exposta faz diferença no momento de atrair o consumidor.

3.3 Seja funcional

Quando o lojista começa a pensar no layout, é comum que ele queira utilizar muitos recursos, imagens e efeitos, acreditando que, quanto mais chamativo, melhor. Porém, o tiro pode sair pela culatra.

Excesso de informação visual pode dificultar a visualização do que é mais importante no site: o produto. Lembre-se de que o consumidor virtual faz pesquisas muito rápido, e um simples incômodo no seu site pode fazer com que ele feche a janela e parta para o concorrente.

Por isso, a melhor opção é ter um layout funcional, que seja criativo, combine com o seu público-alvo, mas que, ao mesmo tempo, seja clean e não dificulte a visualização de nenhuma informação importante.

3.4 Aposte no CTA

O termo é a abreviação de Call-to-Action (chamada para a ação). Simplificando, é uma forma de estimular o usuário a realizar uma ação na sua página, que pode ser clicar em uma página específica, cadastrar-se no site ou, é claro, realizar a compra.

O CTA é realizado basicamente por meio de botões e conteúdo. Por exemplo, para estimular o cliente a finalizar a compra, o ideal é que o botão tenha o tamanho um pouco maior ou uma cor diferente — mas essa aplicação deve ser feita de maneira sutil e de acordo com as dimensões do layout.

Você pode apostar em palavras no imperativo, como “compre”, “cadastre-se”, “assine a newsletter”. Mas, dependendo do seu público-alvo, também pode investir na criatividade, utilizando frases como: “Quero na minha casa”, “Me deixe por dentro das novidades”.

É fundamental cumprir a promessa do CTA, oferecendo uma boa experiência na página, a qual corresponda às expectativas do cliente. Você também pode utilizar a persuasão e mostrar ao usuário os benefícios que ele vai ter ao clicar no botão. Por exemplo: “Lançamento exclusivo”, “Válido somente hoje”, “Últimas unidades”, entre outros.

4. Plataforma de e-commerce

Agora que já abordamos toda a parte visual do seu e-commerce, chegou a hora de partimos para a parte técnica do início do projeto: a escolha da plataforma.

Trata-se do sistema onde será desenvolvida a sua loja virtual, por isso, é muito importante escolher com calma e ter um conhecimento prévio sobre o assunto.

Toda plataforma de e-commerce é composta basicamente por dois ambientes:

  • Front-end: é a parte do sistema que define como a loja virtual será visualizada pelo público, ou seja, é onde fica a vitrine, as categorias, o carrinho de compra e todas as outras páginas — é nesse ambiente que você pode aplicar todas as dicas de design presentes neste artigo.
  • Back-end: é a parte administrativa do sistema, onde é possível gerenciar os produtos, fazer o controle do estoque, receber os pedidos e verificar os pagamentos e outras atividades relacionadas ao e-commerce.

Confira, a seguir, algumas dicas que vão te ajudar no momento de escolher a plataforma:

4.1 Avalie o custo-benefício

Existem diversas opções de plataformas no mercado, que variam de acordo com o valor ou o modelo de negócio.

Há até mesmo alternativas gratuitas, mas é importante ficar atento se a sua escolha tem todos os recursos necessários para a sua loja virtual. Além disso, um dinheiro bem investido no começo do negócio pode render economia no futuro.

O ideal é que você dedique até 30% do seu orçamento para a escolha da plataforma. Mas fique atento se a empresa escolhida oferece o suporte necessário no restante da operação do seu e-commerce, levando em conta fatores como logística, SAC e marketing.

Por exemplo: se você optar por contratar uma plataforma de atendimento (falaremos mais sobre ela ao longo do artigo), o sistema precisa ser compatível com esse tipo de serviço.

4.2 Pense no futuro do seu negócio

Uma plataforma de e-commerce deve atender não somente as suas necessidades no início da loja virtual, como oferecer uma estrutura que possa expandir juntamente com o seu negócio.

Também é importante que ela se mantenha atualizada, oferecendo novos recursos tecnológicos, já que o mercado do varejo muda constantemente, e a sua loja virtual precisa acompanhar essas transformações.

4.3 Faça uma pesquisa de mercado

Consulte os lojistas que já utilizam a plataforma em que você deseja investir e verifique quais são as vantagens e desvantagens que ela oferece. Confira se a empresa disponibiliza um bom suporte, se o sistema é estável, entre outras características importantes.



Crie uma loja virtual descomplicada por apenas R$ 20/mês

Busque informações especificas sobre o seu segmento de negócio e qual plataforma os seus concorrentes diretos utilizam. Uma forma de consultar os lojistas é pesquisando em grupos como o E-commerce Brasil ou o E-commerce.

4.4 Escolha uma plataforma de fácil utilização

Você estará em contato com o sistema diariamente e, por isso, é importante que tenha facilidade para gerenciar todos os recursos.

Por mais que a maioria das plataformas de e-commerce ofereçam suporte, é muito mais prático contar com uma ferramenta simples, que atenda as suas necessidades e, ao mesmo tempo, seja funcional.

Outros fatores importantes a se questionar no momento de escolher uma plataforma:

  • É responsiva (ou seja, adapta-se a dispositivos móveis)?
  • Oferece várias opções de pagamento?
  • Conta com recursos relacionados à segurança das transações (SSL, sistemas antifraudes, entre outros)?
  • Qual o nível dos relatórios oferecidos e as possibilidades de customização?
  • É compatível com vários navegadores?

5. Atendimento

No início de uma loja virtual, é muito comum que o lojista se preocupe com fatores como a plataforma, o estoque e os anúncios no Google e deixe de lado uma etapa fundamental: o SAC.

Abrir uma loja virtual e não oferecer canais de atendimento é a mesma coisa que inaugurar uma loja física e não ter vendedores. Não adianta investir na divulgação e no estoque se, quando o cliente tem alguma dúvida, não consegue solucioná-la.

Veja algumas dicas para oferecer um bom atendimento no início da sua loja virtual:

5.1 Invista em uma FAQ

A boa e velha sessão de perguntas e respostas pode ajudar a reduzir consideravelmente as dúvidas dos clientes.

Além das informações básicas (prazo de entrega, política de troca, formas para acompanhar o pedido), faça um exercício de imaginação e se coloque no lugar do cliente. Ou seja, quais dúvidas você teria no site? Utilize uma linguagem de fácil compreensão e, sempre que possível, invista também em fotos e vídeos.

5.2 Faça uma descrição detalhada dos produtos

É importante contar com imagens de qualidade, mas elas não são suficientes para vender o produto. A descrição faz o papel do vendedor, explicando ao cliente todas as vantagens que ele terá ao adquirir determinada mercadoria.

Material, tamanho, peso e formas de uso são alguns exemplos de informações que não podem faltar na sua descrição. Evite copiar o conteúdo de outros e-commerces — além de não criar uma linguagem própria para o seu site, o Google pode penalizá-lo, diminuindo a sua presença nos resultados de busca.

5.3 Ofereça mais de um canal de contato

Os canais de telefone e e-mail são contatos básicos para uma loja virtual. Também é muito comum que o atendimento ocorra nas redes sociais, principalmente no Facebook, mas é preciso tomar cuidado.

Lembre-se de que, ao oferecer esse canal, o cliente pode postar reclamações que ficam expostas publicamente, e você deve estar preparado para solucionar todos os problemas. Sempre que possível, procure esclarecer as dúvidas na própria rede social, por meio dos comentários ou do Messenger.

5.4 Invista em uma plataforma de atendimento

Se você espera um volume de contatos um pouco maior, uma boa opção é investir em uma plataforma de atendimento. Por meio dela, é possível gerenciar os contatos, visualizar relatórios, identificar quais são as solicitações mais comuns, criar estratégias e ter uma visão geral do seu atendimento.

Existem opções, no mercado, voltadas às pequenas lojas virtuais, nas quais o lojista pode definir quantos módulos precisa, de acordo com a necessidade do seu negócio.

5.5 Disponibilize reviews

Os reviews são comentários de clientes que já compraram na loja e que podem ser disponibilizados em uma página específica ou abaixo da descrição dos produtos. É uma ótima forma de criar credibilidade para a sua loja, já que a opinião de terceiros pode ajudar a tirar dúvidas e influenciar muito na decisão de compra.

Algumas lojas virtuais apostam na criatividade e pedem para que os clientes enviem fotos utilizando os produtos. É uma forma de estreitar o relacionamento e ajudar na conversão de vendas.

6. Mix de produtos

Por fim, chega a hora de definir quais serão os produtos disponibilizados pela sua loja virtual. Provavelmente, você já tem em mente quais são eles, mas é necessário criar uma estratégia para definir de que forma eles serão oferecidos ao cliente.

Um mix de produtos é um grupo de itens, que pode ter algumas características, como:

  • Especialidade: qualidade e superioridade da marca;
  • Novidade: inovação no mercado;
  • Sazonalidade: maior procura em determinadas épocas do ano;
  • Tendência: alto consumo em determinada época.

Ainda, um mix de produtos pode ter vários formatos. Os mais conhecidos são:

  • Extenso: vários grupos, cada qual com muitos itens;
  • Encurtado: vários grupos, cada qual com poucos itens;
  • Profundo: um grupo com muitos itens;
  • Raso: um grupo com poucos itens;
  • Raso e na tendência: um grupo com poucos itens (que estão na moda);
  • Profundo e sazonal: grupo com muitos itens (focados em uma época do ano).

Confira, agora, 3 dicas para montar um mix de produtos atrativo:

6.1 Foque na profundidade

No início de uma loja virtual, a melhor alternativa é focar na variedade de itens dentro de uma mesma categoria de produtos. Isso se deve ao fato de que é importante criar uma identidade para o seu e-commerce, e essa estratégia pode ajudar a trazer uma reputação para o seu negócio.

Tornar-se especialista em uma categoria faz com que a sua loja se transforme em uma referência, ganhando autoridade no mercado.

Essa também é uma forma de facilitar o seu trabalho durante o início da operação, pois limitar a categoria de produtos permite que você vá conhecendo a rotina aos poucos (cadastro, fornecedores, logística) até que se sinta à vontade para expandir o mix de produtos.

6.2 Dê destaque para as novidades

Sabemos como é difícil concorrer com as grandes lojas no quesito preço competitivo, e não é uma boa alternativa vender o que todo mundo vende. Por isso, é interessante dar destaque aos itens exclusivos do seu catálogo.

Oferecer novidades fará com que o seu site se destaque entre os concorrentes e garanta uma boa conversão.

6.3 Fique atento ao desempenho das suas vendas

Mesmo que você escolha um mix de produtos que traga bons resultados, mudanças no comportamento do consumidor ou do mercado podem fazer com que os rendimentos variem.

Por isso, é importante ficar atento ao volume de visitas no site, à conversão, ao ticket médio e a outros indicativos que podem ajudar a rever as estratégias. Esteja sempre em busca de novos itens que podem diversificar o seu mix de produtos e atrair novos consumidores.

Conclusão

O empreendedor que está iniciando uma loja virtual precisa ficar atento a muitos fatores que podem determinar o sucesso (ou fracasso) do negócio.

Atuar no ambiente on-line exige um bom conhecimento sobre as melhores ferramentas e as formas de atrair a atenção do consumidor, que está rodeado de informações e tem forte comportamento de pesquisa.

Neste artigo, você conferiu algumas dicas para tomar as melhores decisões nas principais etapas da criação de uma loja virtual, desde a escolha do nome até a definição do mix de produtos.

Gostou do conteúdo? Assine a nossa newsletter e fique por dentro de mais dicas exclusivas!



Crie uma loja virtual descomplicada por apenas R$ 20/mês

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *