10 erros clássicos que você deve evitar para ter uma loja virtual de sucesso

Tempo de leitura: 6 minutos

Imaginemos que há mais de um ano você vem mantendo sua loja de bijuterias na internet e, ao mesmo tempo, frequentando a faculdade de administração. No início, as compradoras de bijous eram apenas as colegas de faculdade, mas agora as vendas começaram a crescer e você não vê a hora de terminar o curso para poder se dedicar somente ao seu negócio. Pelas disciplinas da faculdade você já concluiu que conseguirá administrá-lo.

E-commerce propriamente dito não consta no currículo, mas você tem lido bastante na internet sobre as práticas do mercado. Sabe que quer expandir o seu e-commerce, encontrar novas formas de vendas e, lógico, aumentar o volume da comercialização. O ideal, você já tem certeza, seria implantar uma nova plataforma de vendas, um e-commerce de verdade para atingir seus objetivos.

Entretanto, são tantas as dicas sobre o que deve fazer nessa plataforma de e-commerce que elas acabam confundindo você. O que devo fazer primeiro? E se isso não der certo, o que faço depois?  Decidimos ajudá-la e fazer o contrário neste post. Ao invés de dar recomendações sobre o que fazer, vamos elencar o que você não deve fazer para ter uma loja virtual de sucesso. Assim, bastará se concentrar nisso. Temos certeza de que  ficará bem mais livre para exercer sua criatividade e realizar o seu sonho, vamos lá:

1) Não escolher uma boa plataforma.

ERRADO! A plataforma, como o próprio nome diz, é a base do seu e-commerce. Como construir um negócio sólido sem isso? Lembre-se de que vai crescer e o sistema também deve prever as etapas futuras. Procure um fornecedor sério para a implantação e não pense que para funcionar bem uma plataforma deva ser complicada. Pelo contrário, em tecnologia os melhores produtos são simples. Com uma plataforma descomplicada você irá longe!

2) Não valorizar sua marca e pensar apenas em vender.

ERRADO! Produtos de sucesso vão e vêm, mas é a sua marca é o que deve permanecer. No e-commerce, mais do que o nome de produtos, você precisa deixar a sua marca gravada para os consumidores. Esse é o princípio da fidelização. Ele comprará um produto hoje e voltará amanhã para comprar outro produto. Pense em um nome simples e de fácil memorização para a sua marca. Esse nome é tudo!

3) Não inovar em relação aos concorrentes.

ERRADO! Você acha que se o produto é do mesmo tipo e os preços parecidos, basta copiar o site do concorrente? Ledo engano. O consumidor quer encontrar novidades em um e-commerce, sentir que está em um lugar diferenciado. Do contrário, pode até se sentir lesado. Sabe aquelas lojas de souvenirs do mesmo dono que você encontra em algumas cidades turísticas? Tem coisa mais irritante para quem quer se surpreender numa experiência de compra?

4) Não fazer segmentação do mercado.

ERRADO! Queira vender para todas as classes sociais, por exemplo. Será que os gostos de todos esses tipos de pessoa são parecidos? Defina o seu perfil de cliente. Isso é tão importante como escolher a plataforma. Pense inclusive se os seus produtos se destinarão a uma mulher que só cuida da casa ou para aquela que trabalha fora, cuida  da casa e tem inúmeros compromissos sociais. Segmentação. Tenha seu consumidor típico em mente!

5) Não apostar em diferenciais competitivos.

ERRADO! Batalhe para conseguir fornecedores cujas mercadorias se adequem a suas consumidoras. Escolha produtos que sejam diferenciados. A consumidor moderno valoriza materiais e design exclusivos. Não se importará em pagar um pouquinho mais por isso. Se você formar uma rede de fornecedores qualificada, suas vendas já terão garantia de 50%. Garimpe pelos seus clientes. Eles só terão a agradecer e retornar para comprar!

6) Não se preocupar com boas fotos dos produtos.

ERRADO! Se você está em um negócio em que todos os detalhes são valorizados, como o de bijuterias, mais do que nunca terá que se preocupar com as fotos de produto. Elas têm que ser mostradas individualmente em diversos ângulos e também sendo usadas por modelos. Não economize no visual. Um objeto de adorno é para ser notado. Dê dicas, inclusive de como deve ser usado. Você vende visual!

7) Não conhecer o preço da concorrência.

ERRADO! Você não deve copiar o site, mas deve saber os preços que estão sendo praticados. Fique nesse padrão, mas decida se vai se situar ligeiramente acima ou ligeiramente abaixo da concorrência. Há prós e contras para cada uma das decisões. Muitas consumidoras associam preço a qualidade, portanto a decisão de preço mais baixo pode não favorecer seu e-commerce. O ideal, portanto, se decidir pelo preço mais alto é que esse não venha a pesar muito no bolso. A consumidora aceita pagar ‘um pouquinho’ a mais se sentir mais qualidade.

8) Não treinar uma equipe para vendas on-line.

ERRADO! Prepare-se para o crescimento, você não conseguirá (e nem deve) fazer tudo sozinho. Treine profissionais especializados em e-commerce. Esse tipo de venda é diferente daquele feito em uma loja física. Mesmo que a pessoa tenha vendido o mesmo produto por 10 anos em uma loja física a abordagem será diferente na venda on-line, que tem as suas peculiaridades. Lembre-se de que esses profissionais devem estar prontos para o atendimento on-line sem visualizar o cliente, ou seja, sem dispor dos inúmeros sinais permitidos normalmente pelo atendimento pessoal que ajudam no andamento da conversação.

9) Não oferecer várias formas de pagamento.

ERRADO! Não economize nas bandeiras de cartão para facilitar as vendas. Não esqueça também dos boletos. E mais ainda, tente colocar um número de telefone para aqueles que desejam falar com um vendedor antes de fechar a compra. Pessoas mais idosas normalmente aderem a esse tipo de fechamento de compra, sentindo-se mais seguras. Escolhem direitinho e até anotam o código do produto, mas depois querem falar com um vendedor. Quanto mais opções de compra mais fácil a venda! Leia com calma este este guia com todas as dicas para configurar sua loja para aceitar todos os cartões de crédito!

10) Não facilitar as trocas e devoluções.

ERRADO! A venda não termina quando se entrega a mercadoria. Existe o pós-venda, capaz de fidelizar o cliente ou afastá-lo para sempre. No caso das trocas e devoluções, não insista muito em saber o porquê. Se for por defeito do produto, nem pensar em perguntar. Mas para os demais casos, existe o fator arrependimento no Código de Defesa do Consumidor (artigo 49). Então por que fazer o cliente ficar inventando desculpas?

E então, essas dicas sobre o que não fazer em seu e-commerce ajudaram? Conte para a gente sobre o que você tem feito para elevar o sucesso do seu e-commerce!

 



Crie uma loja virtual descomplicada por apenas R$ 20/mês



Crie uma loja virtual descomplicada por apenas R$ 20/mês